VTEM BannersVTEM BannersVTEM BannersVTEM BannersVTEM Banners

História da Capoeira

hiatória

As raízes mais antigas da capoeira situam-se no sul de Angola, onde uma cerimônia tradicional de iniciação das mulheres à idade adulta chamada n'golo ("zebra", em quimbundo) compreendia uma luta em que os homens tinham que procurar encostar os pés na cabeça do adversário, imitando o coice de uma zebra.

A luta se desenvolvia ao som de atabaques e o vencedor da competição tinha o direito de escolher uma noiva sem ter de pagar o dote. Com a chegada dos colonizadores portugueses a Angola no século XVI, a luta do n'golo embarcou para a América através do porto de Benguela junto com os escravos. O Brasil foi o maior receptor da migração de escravos, recebendo quase quarenta por cento de todos os escravos enviados através do oceano Atlântico.

A origem da capoeira, porém, ainda é motivo de controvérsia entre os estudiosos, sobretudo no que se refere ao período compreendido entre as suas primeiras descrições e o início do século XIX, quando aparecem os primeiros registros confiáveis com descrições sobre sua prática.

Origem

OrigemNo século XVI, Portugal tinha um dos maiores impérios coloniais da Europa, mas carecia de mão de obra para efetivamente colonizá-lo. Para suprir este déficit, os colonos portugueses, no Brasil, tentaram, no início, capturar e escravizar os povos indígenas, algo que logo se demonstrou impraticável. A solução foi o tráfico de escravos africanos.

A principal atividade econômica colonial do período era o cultivo da cana-de-açúcar. Os colonos portugueses estabeleciam grandes fazendas, cuja mão de obra era primariamente escrava. O escravo, vivendo em condições humilhantes e desumanas, era forçado a trabalhar à exaustão, frequentemente sofrendo castigos e punições físicas. Mesmo sendo em maior número, a falta de armas, a lei vigente, a discordância entre escravos de etnias rivais e o completo desconhecimento da terra em que se encontravam desencorajavam os escravos a rebelar-se.

Neste meio começou a nascer a capoeira. Mais do que uma técnica de combate, surgiu como uma esperança de liberdade e de sobrevivência, uma ferramenta para que o negro foragido, totalmente desequipado, pudesse sobreviver ao ambiente hostil e enfrentar a caça dos capitães do mato, sempre armados e montados a cavalo.

Resumo

A história da capoeira começa no século XVI, na época em que o Brasil era colônia de Portugal. A mão-de-obra escrava africana foi muito utilizada no Brasil, principalmente nos engenhos (fazendas produtoras de açúcar) do nordeste brasileiro. Muitos destes escravos vinham da região de Angola, também colônia portuguesa. Os angolanos, na África, faziam muitas danças ao som de músicas. Ao chegarem ao Brasil, os africanos perceberam a necessidade de desenvolver formas de proteção contra a violência e repressão dos colonizadores brasileiros. Eram constantemente alvos de práticas violentas e castigos dos senhores de engenho. Quando fugiam das fazendas, eram perseguidos pelos capitães - do- mato, que tinham uma maneira de captura muito violenta.

Os senhores de engenho proibiam os escravos de praticar qualquer tipo de luta. Logo, os escravos utilizaram o ritmo e os movimentos de suas danças africanas, adaptando a um tipo de luta. Surgia assim a capoeira, uma arte marcial disfarçada de dança. Foi um instrumento importante da resistência cultural e física dos escravos brasileiros. A prática da capoeira ocorria em terreiros próximos ás senzalas (galpões que serviam de dormitório para os escravos) e tinha como funções principais á manutenção da cultura, o alivio do estresse do trabalho e a manutenção da saúde física. Muitas vezes, as lutas ocorriam em campos com pequenos arbustos, chamados na época de capoeira ou capoeirão.

Do nome deste lugar surgiu o nome desta luta. Até o ano de 1930, a prática da capoeira ficou proibida no Brasil, pois era vista como uma prática violenta e subversiva. A polícia recebia orientações para prender os capoeiristas que praticavam esta luta. Em 1930, um importante capoeirista brasileiro, mestre Bimba, apresentou a luta para o então presidente Getúlio Vargas. O presidente gostou tanto desta arte que a transformou em esporte nacional brasileiro. A capoeira possui três estilos que se diferenciam nos movimentos e no ritmo musical de acompanhamento. O estilo mais antigo, criado na época de escravidão, é a CAPOEIRA ANGOLA.

As principais características deste estilo são: ritmo musical lento, três berimbaus, dois pandeiros, agogô e reco-reco, os golpes são jogados mais baixos (próximos ao solo) exige-se muita destreza e malicia.


O estilo REGIONAL caracteriza-se pela mistura da malícia da capoeira angola como jogo rápido de movimentos, ao som de um berimbau e dois pandeiros, os golpes são mais rápidos, cadenciados e secos, classificada por golpes desequilibrastes, traumáticos e giratórios, sendo que as acrobacias não são utilizadas.


 

 

 

 

 

Já o terceiro tipo de capoeira é a CONTEMPORÂNEA, que une um pouco dos dois primeiros estilos, porém os movimentos são executados mais rápidos, golpes traumáticos, desequilibrântes e giratórios são muitos utilizados sempre acompanhado de movimentos acrobáticos que embelezam e motiva os jogadores e o público em geral. Este último estilo de capoeira é o mais praticado na atualidade.